Siga Pela 10 | Netflix: tudo pode acontecer num dia de trabalho

Siga pela 10” é uma comédia norte-americana produzida em 2016 e lançada no Brasil em Janeiro de 2017. Na verdade, este é um dos filmes que fazem parte das produções que sempre são lançadas no início de cada ano, pela plataforma.

O filme foi produzido por dois estúdios independentes: o Silver Lining Entertainment e o Blue Creek Pictures. Tem 83 minutos de duração e é dirigido por Chester Tam que, além de fazer sua estréia como diretor e roteirista, também atua no filme.

O enredo envolve um show de hip-hop e a trilha sonora seguiu essa tendência. Músicos como Attak, Jazz CartierZeLooper Z assinam a trilha sonora.

Embora esteja classificado como comédia, é mais um thriller de ação pela sequência meio desenfreada das cenas.

Siga pela 10: o enredo

O filme conta a história de dois amigos, Chris e Chester, que trabalham em uma mercearia e ganham salário-mínimo.

Chris tem um grande sonho de ir a um show de hip-hop, mas não tem dinheiro para comprar o ingresso.

Ele é um jovem que não tem uma boa perspectiva de melhorar de vida. o rapaz vive de pequenos golpes aqui e ali.

Contudo, seu irmão Johnny é um tipo de cambista e ganha muito dinheiro com essas vendas, operando de casa. Ele alega não poder trabalhar fora por ser diabético e debocha de Chris porque ele não é bem sucedido.

Por conta desta sua profissão, Johnny guarda dinheiro e outros bens em casa, dentro de um cofre. Dentre esses itens, ele guarda também o ingresso para o show de hip-hop que Chris tanto deseja ir.

Em outro vértice da trama, Chester, por sua vez, pensa mais no futuro e busca, de modo real e concreto, sair daquela condição de pobreza.

Vida nova

Assim, seu objetivo é sair do país e ir para o Brasil, começar um negócio bastante lucrativo, segundo ele. Ele pretende produzir uma bebida de guayusa, aparentemente algo inédito fora de seu país.

Para isso, ele anuncia a venda de seu carro no Craigslist e logo aparece um comprador, Carlo, que não é quem aparenta. Na verdade, ele é um criminoso, fingindo ser comprador, para usar ilicitamente o carro de Chester.

Carlo utiliza o veículo como meio de transporte para participar de um tiroteio contra uma gangue rival sem ser identificado e, depois, para sua fuga.

Já o gerente da mercearia na qual trabalham Chester e Chris – Danny – é um sujeito alucinado por conta do vício em cocaína. E, ele deve muito dinheiro ao seu traficante, Jay.

A alegria dura pouco

Desse modo, para conseguir pagar tal dívida ele rouba dinheiro dos próprios caixas da mercearia por várias vezes consecutivas e acusa os empregados.

Por outro lado, Danny responsabiliza Chester por um suposto desvio de verba que Chris teria feito na mercearia. E, ameaça chamar a polícia. Por isso, Chester fica apavorado e, para livrar a si e ao amigo da acusação, se mete em muita confusão.

Em segundo plano na trama, Jay, o traficante, é um homem extremamente preocupado com sua aparência. Ele constantemente se exercita para manter a forma. No entanto, sua namorada, Sahara, reclama muito de sua performance sexual, demonstrando que ele não é capaz de satisfazê-la.

É nesse momento que em uma visita a Jay, para tentar comprar dele o ingresso para o show de hip-hop, Chris acaba conhecendo Sahara. E, os dois acabam em um entrando em um relacionamento amoroso.

Assim, o enredo do filme baseia-se nas interações entre Chris e Chester e nas trapalhadas que se envolvem para conseguirem crescer na vida.

Siga pela 10: atores

 Josh Peck – de Drake and Josh e The Wackness – interpreta Chris.

Tony Revolori, conhecido por atuar em Me and Earl, Dying Girl, A Quinta Onda e Spider Man (2017) vive Chester.

Kevin Corrigan (da série televisiva Grounded for Life) interpreta o papel de Danny.

O comediante Andy Samberg, mais conhecido por Saturday Night Live, “Hotel Transilvânia” (2012 e 2015) e “Este é o meu garoto” com Adam Sandler (2012), interpreta Johnny. Samberg também tem participações em “Vizinhos” (2014) e Celeste and Jesse (2012).

Chester Tam (Roteirista, Diretor e Ator neste filme) é Jay.

Cleopatra Coleman, atriz de The Last Man on Earth – série de TV (2015-2018) dá vida a Sahara. E, Carlos Alazraqui interpreta Carlo. Alazraqui é conhecido por fazer as vozes de animações como Happy Feet 1 e 2, Curious George 2, Mickey Magical Christmas, Rocko, American Dad.

Siga pela 10: Crítica

O filme “Siga pela 10” é uma comédia que retrata a vida de jovens americanos que não tiveram acesso a educação formal. Eles vivem sem qualquer perspectiva de um futuro melhor, trabalhando no setor terciário com salários muito baixos.

Entretanto, esta comédia, conta também a história mal sucedida entre dois amigos. A relação conturbada, com muitas arestas não aparadas entre ambos e visões de mundo bastante diferentes.

Enquanto Chris quer ter sucesso, mas sem fazer qualquer esforço, Chester se empenha em, realmente, mudar sua vida para melhor. E, esse conflito acaba por causar a separação gradual entre ambos. Contudo, até que isso aconteça, eles se metem em muita confusão.

Na verdade, eles tentam se ajudar mutuamente, muito embora agravando cada vez a divergência entre eles. Por serem amigos de verdade, eles tentam lidar com essas diferenças e manter a ligação.

Infelizmente, a decisão de subir na vida acaba prevalecendo, mas de maneiras bem distintas para ambos.

Brasil: terra das “oportunidades”

Um aspecto interessante de “Siga pela 10” é o fato de Chester apostar no Brasil como o lugar que lhe trará oportunidades para melhoria de vida. Irônica a mudança no sentido do vetor, não? A Terra das Oportunidades deixa de ser os Estados Unidos da América e passa a ser o local costumeiramente menos favorável.

De maneira geral, a crítica não foi favorável a esse filme.

Contudo, ele segue a mesma premissa de filmes como Hangover (1, 2 e 3), por exemplo, ou American Pie. Sobretudo no quesito extravagância.

Extremos

No entanto, observe-se que em ambos os filmes acima, toda essa extravagância ocorre na interação de pessoas com boa formação e boa perspectiva de vida. E, aqui, a fundamentação é na batalha do cotidiano e na falta de escolhas.

A seu modo, cada um desses filmes aborda o mesmo tema: a amizade. Em todos eles, o que se vê são as tensões que ocorrem nas relações entre amigos.

Os excessos, as extravagâncias, as loucuras, os conflitos só ocorrem em relações em que haja confiança entre os membros.

A questão é que, Hangover, por exemplo, considerado atualmente clássico da comédia, teve uma direção mais eficaz. Todavia, o filme também contava com muitas drogas, sexo desenfreado, palavrões, muito nonsense e todo o tipo de banalidades.

Então, se depender do elenco, “Siga pela 10” tem um excelente, também. Todos os atores deste filme têm um sólido portfólio. Assim, preconceitos à parte – porque é óbvio que faltou ao filme uma boa produção – o enredo cumpre seu papel.

Pode-se dizer que é uma comédia de costumes de jovens sem um futuro brilhante, tentando sobreviver mediocremente.

Jovens americanos, brasileiros, portugueses, jovens do mundo inteiro, vivendo em um sistema corrompido, que nada oferece de promissor.

Em suma, o filme mostra a que veio e, apesar de ter um evidente baixo orçamento, conta com boas atuações do elenco. Um sólido 6,5.